19/05/2015

2

E quando a gente se descobre doente? Seis dicas básicas para você não "perder o chão"!

Não tenho postado tanto quanto eu gostaria... Na verdade, ultimamente não tenho feito nada do que eu gostaria! Não venho me sentindo bem, acho que os remédios estão me dando muitas reações adversas, não é nada legal passar o dia enjoada e com vertigem, parece que estou constantemente de ressaca (e eu nem bebo, nunca bebi!). Mas não me deixo abalar, sabe? Penso sempre "poderia ser pior"...

Não é nada fácil quando a gente recebe um diagnóstico de uma doença rara (é considerada rara, uma doença, quando afeta até 65 pessoas num grupo de 100.000 - de acordo com a O.M.S.)  e sem cura, passado o choque inicial, comecei a brincar dizendo que bem que poderia ter vindo um prêmio na loteria, né? E na "loteria da vida" fui escolhida para ser portadora de E.M., fazer o quê?

O post de hoje é para tentar passar um pouco da minha experiência (e da minha calma, por incrível que possa parecer) para quem, assim como eu, recebeu um disgnóstico médico nada agradável...


1. Não se desespere!

Sei que é difícil pedir calma, mas ficar estressad@ só vai piorar a situação. Quando estamos calmos parece que tudo funciona melhor, até os tratamentos.

2. Não questione (o mundo, a vida, Deus...)!

Não adianta ficar procurando culpados! "Por que logo comigo? O que fiz para merecer isso?"... Porque sim, acontece! As coisas não só acontecem com os outros, acontecem conosco também. É a vida, nem sempre ela é "justa".

3. Procure saber tudo sobre sua doença.

Reúna o maior número de informações sobre sua doença, procure artigos científicos, matérias em jornais e revistas, converse com seu médico e com outras pessoas que possuem a mesma enfermidade que você. Informação é ouro, quanto mais você souber, melhor vai saber como conviver com sua doença.

4. Siga seu tratamento corretamente.

Eu AMO chocolate ao leite, mas em razão do meu tratamento com Vitamina D (post aqui) ele virou item proibido na minha dieta. Vou fazer #aloka e comer chocolate? Não, né? Prioridades: continuar andando normalmente ou perder os movimentos das pernas (mas comendo chocolate)? Eu prefiro continuar a andar... Tchau, Baton Garoto! Te amo, mas não podemos mais ficar juntos...

5. Apague-se com suas crenças.

Seja qual for sua crença, ou se você não tiver crença alguma, seja como for, apegue-se com aquilo que te dá forças (seja sua religião, suas ideologias e/ou sua família), por mais "forte" que você seja, um apoio (seja ele espiritual ou não) será sempre bem-vindo. É sempre melhor quando não lutamos sozinhos.

6. Não desista de você!

Não se entregue, lute com todas as suas forças por sua cura (caso sua doença não seja crônica) e/ou por sua qualidade de vida. Se a gente só vive uma vez (como muitos acreditam), é bom que se viva da melhor maneira possível, né? Não deixe que uma situação coloque você para baixo, tudo na vida passa.

2 Comentários:

Taciana Barros --> Responder disse...

Boa estou na torcida pela sua recuperação.

Beatriz Campos --> Responder disse...

Obrigada, Taci! Beijão!

Postar um comentário

Pessoas queridas, comentários são respondidos nos próprios comentários, ok? Então, por favor, volte por aqui! Obrigada!